Por que precisamos entrar em greve

Na última reunião dos estudantes dos 73 presos na desocupação da reitoria da USP, no dia 8 de novembro de 2011, foi narrada uma conversa entre um funcionário, diretor do Sindicato dos Trabalhadores da USP e um “figurão” da reitoria, da gestão de João Grandino Rodas.

É importante que todos os estudantes saibam o que é dito nos bastidores e o quão cínicos são os comparsas de Rodas.

O diretor do Sintusp perguntou ao apaniguado do reitor sobre como seria o prosseguimento da negociação diante dos processos contra os funcionários e estudantes.

O “figurão” da reitoria afirmou que a possível negociação foi anunciada durante a greve e ocupação da reitoria. E afirmou que agora que não existe nada,  nem greve, nem ocupação da reitoria ou de qualquer coisa, a reitoria não tem por que negociar.

A resposta do preposto de Rodas não poderia ser mais cínica. Ela evidencia como são tratadas as reivindicações da comunidade universitária.

A burocracia universitária ignora as necessidades da comunidade, tanto dos estudantes quanto professores e funcionários.

O descaso com a universidade é imenso e após anos de corte de verbas e entrega para fundações privadas, a reitoria foi entregue a João Grandino Rodas que defende claramente a cobrança de mensalidades e as parcerias público-privadas.

A colocação da USP em estado de sítio já previa a revolta da comunidade universitária com relação ao plano. Agora são cerca de 90 estudantes presos, mais de cem processados na universidade e criminalmente. Isso foi feito com o objetivo de paralisar os setores mais ativos no movimento.

Esse diálogo que veio à tona retrata a situação em que está colocado o movimento. É necessário reagir duramente aos ataques do reitor-interventor e da corja que trabalhar nos bastidores para privatizar a USP.

A reitoria não vai atender a nenhuma das reivindicações com conversa ou pedidos. A única via para o atendimento das reivindicações é a luta com a greve e as medidas mais radicais do movimento.

Rodas e o governo não ligam para as nossas reivindicações e sem atos de protesto dos estudantes eles levarão adiante o plano de privatização e as retaliações aos que lutam.

Sobre usplivre.org.br

Jornal editado pelos estudantes da USP em luta contra a política de repressão e de privatização da USP promovida pelo reitor João Grandino Rodas.
Esse post foi publicado em Jornal da USP Livre! nº 51 - 10/5/2012. Bookmark o link permanente.