Breve história do CRUSP (parte 1 de 3)

Publicamos a partir desta edição um artigo em 3 partes contando a história do CRUSP segundo o relato dos próprios moradores

1. Blocos tomados pela reitoria para abrigar a administração da universidade 2. Demolidos pela reitoria entre dezembro de 1968 e o início dos anos 70. 3. Demolidos 4. Tomada pela administração da COSEAS 5. Parcialmente tomado pela COSEAS

A idéia de ter uma moradia para os estudantes remonta à própria fundação da Universidade. Desde que se fundou a USP existe a idéia de criar um Conjunto Residencial (CRUSP) onde se aloje os estudantes. Mas isso demorou muito para acontecer.

Em 1963, surgiu o primeiro projeto do CRUSP, quando vários arquitetos participam da licitação. Quem ganha é Eduardo Kneese, um arquiteto contemporâneo que faz o projeto todo com concreto pré-fabricado. Essa escolha barateia tanto a obra que dos seis blocos que seriam construídos torna-se possível construir doze, com o mesmo dinheiro. Então, 12 blocos são construídos, o dobro da idéia original.

Os prédios iriam servir para abrigar atletas dos jogos pan-americanos, em 1963, e depois se tornariam moradia estudantil. Tudo foi arquitetado e pensado para isso. Com espaços de vivência e tudo mais. Mas no final dos jogos a reitoria deixa o CRUSP fechado. Aí tem início a luta dos estudantes para conquistar esse espaço, que agora já é físico, e expõe a recusa da reitoria e dos governos de atender às reivindicações e necessidades dos estudantes.

Em 1964, 12 estudantes ao lado de Rafael Kauan, contra a assembléia geral dos estudantes da USP, ocupam o 5º e 6º andar do Bloco A – 12 estudantes em 12 blocos. Deixando claro que muitas vezes é a chamada minoria que faz a diferença. Hoje o CRUSP existe porque alguns, poucos, estudantes iniciaram essa luta. A partir dessa primeira ocupação várias pessoas começam a vir para o CRUSP e a moradia estudantil vai se tornando uma realidade.

É quando a universidade cria um aparato burocrático, chamado ISSU (Instituto de Saúde e Serviço Social da Universidade), o precursor do que hoje é a Coseas (Coordenadoria de Assistência Social da USP).

Os estudantes por sua vez decidem criar a Aurck, em homenagem ao Rafael Kauan (Associação de Universitários, Rafael Kauan), que morreu três meses depois dessa primeira ocupação. Dizem que ele morreu em um acidente de carro. Dizem. A Aurk garante a organização política dos cruspianos em 1964. Faziam reunião por andar, assembléias de bloco e depois assembléias gerais. Foi uma grande experiência. Todos os blocos ocupados, estudantes de todos os lugares… o melhor período do CRUSP.