Usando novamente o regimento interno criado durante a ditadura militar Rodas quer expulsar os 84 estudantes presos na desocupação do CRUSP e da reitoria

Protesto dos estudantes contra a prisão de 73 estudantes na desocupação da reitoria da USP.

 Pelo menos 10 já foram intimados a depor; Documentos recebidos pelos alunos não informam qual a acusação feita pela reitoria, mas já indicam que a punição será a “eliminação”

Nesta semana, cerca de 10 estudantes, dentre os quais alguns foram presos pela tropa de choque da PM durante o carnaval, no dia 19 de fevereiro, e outros detidos na desocupação da reitoria em novembro passado, foram informados da abertura de um processo administrativo com objetivo de expulsa-los  e intimados pela reitoria a prestar esclarecimentos.
Os artigos 248, IV e 249, IV, do Decreto Estadual nº 52.906, de 27 de março de 1972, em vigor no Regimento Geral da USP, estão sendo usados novamente para ameaçar os estudantes que participaram da ocupação da reitoria e da moradia retomada (térreo do bloco G do CRUSP). Os artigos prevêem respectivamente a “eliminação” de estudantes que tenham cometido “infrações contra o Regime Disciplinar” e a “eliminação definitiva nos casos em que for demonstrado, por meio de inquérito, ter o aluno praticado falta considerada grave”.
Tal como na época da Inquisição, o processo movido pela reitoria não visa o esclarecimento e a apuração dos fatos, mas única e exclusivamente a condenação.
Pouco a pouco, os estudantes que participaram das últimas mobilizações estão sendo comunicados por e-mail e orientados a comparecer às sessões de alunos de seus cursos para serem intimados a depor no processo.
A perseguição contra os estudantes deve ser debatida na próxima assembleia geral para que sejam aprovadas ações para colocar um fim aos processos e à perseguição política na USP.