Enquanto isso, na sala de aula…

Faz dois anos que Rodas, o segundo colocado, está na reitoria da universidade. Seu grande “mérito” foi fazer nesse curto período o que reitores em décadas não conseguiram fazer: militarizar o campus, mandar prender e expulsar estudantes, aplicar um plano para terceirizar em larga escala, atacar o sindicato dos trabalhadores, centralizar poderes e agora a ameaça de começar a cobrar mensalidades na pós-graduação. E esse é apenas um resumo do que o interventor já fez, mas não dá a ideia da gravidade de tudo que vem acontecendo.
Os estudantes foram os primeiros a reagir a esse estado de coisas e por isso mesmo foram presos, expulsos e apanharam da polícia. Sem apoio entre os demais setores e boicotados por suas próprias entidades, os estudantes que se mobilizaram foram caluniados insistentemente por toda a imprensa capitalista, que procurou convencer todos de que nada deve ser feito e que Rodas e o PSDB estão fazendo o melhor para a universidade.
Enquanto isso acontecia, os professores não paralisaram suas atividades e sequer apoiaram a greve estudantil. Até quando, professores, vamos assistir quietos, no limite de nossas salas de aula, a a militarização e destruição da universidade promovida pelo projeto de ditador que ocupa atualmente a reitoria?
E. H.
Estudante de história