As aventuras de Rodinhas – Episódio de hoje: Rodinhas das arábias

Num segundo de devaneio, Rodinhas transplanta-se para as arábias das Mil e Uma Noites. Seu fascínio por tapetes voadores é tão grande que ele sempre se imaginava no outro lado do mundo, em meio a reis poderosos e impiedosos, com um tesouro fabuloso, sem a presença do povo a questioná-lo sobre sua riqueza ao lado da miséria total dos servos.
O rei Rodinhas fez, então, uma visita aos califas das arábias, trocou alguns presentes e comprou, com o cofre real, um tapete voador. Trouxe-o para o seu reino e o escondeu tão bem, que dificilmente alguém algum dia ouvirá falar nele.
Os haréns de lá são formidáveis, pensou Rodinhas. Ele pensou aliviado: “Ainda bem que no lugar onde eu sou rei as mulheres são tratadas com dignidade!”
Sim, o menino Rodinhas tem toda a razão: com que dignidade as nossas mulheres são tratadas! Por aqui, bem diante de nossos olhos, temos uma montanha de ossos de um quilômetro de altura, somente com as ossadas das mulheres que o Brasil executou nos últimos anos, por não atender às vítimas, que não têm condições de cuidar de um bebê e tampouco de pagar uma clínica particular. A tia Geralda, frustrada sentimentalmente, tia Josefa, vampiresca, a Marininha da Selva, entre outras, eram justamente as algozes das mulheres pobres. Sim, elas sabiam muito bem – e na própria família! – como as mulheres com dinheiro procediam para não morrerem, quando enfrentavam a mesma situação das mulheres pobres. Por Alá! É hora de retornar do sonho das arábias.
Epílogo. No caminho de volta, Rodinhas passa por Ariel, uma cidade fantasma Sionista em pleno território palestino. Lá, foi construída uma universidade em solo roubado, caso único no mundo. Rodinhas conversa com os fantasmas, e faz um acerto com o Rei deles:
− Nós dois somos reis injustamente acusados de usurpar o trono. Façamos um trato: para combater a injustiça de que me acusam, lá na Universidade onde eu sou rei, eu assino um acordo de cooperação com a Universidade de vocês. Em compensação, vocês terão todo o meu apoio, bem como o silêncio de meus súditos, para consolidarem o domínio de vocês em terras alheias.
Firmado o acordo, Rodinhas estende seu tapete, e vem voando a vapor das terras invadidas, certo de ter feito um negócio das arábias, para continuar sendo o usurpador que ele é.

por Reginaldo Parcianello