Reitoria da Unifesp se recusa a negociar com estudantes e ataca o movimento grevista

Neste sábado, 5 de maio, por volta de 16h, um oficial de Justiça chegou ao prédio da diretoria da Unifesp no campus de Guarulhos, que havia sido ocupado pelos estudantes na última quinta-feira, para entregar um ordem de reintegração de posse. Segundo o documento, a reintegração seria feita em duas ou 72 duas horas com a força policial.
Diante da ameaça, pelegos do Psol na Unifesp se apressaram em amedrontar os estudantes que ocupavam o prédio da direção da faculdade em Guarulhos e forçaram a desocupação, colocando os estudantes para fora e fechando as portas.
Chama a atenção e agilidade da reitoria para conseguir uma liminar e dar prosseguimento a todo esse processo. A licitação para a construção do prédio reivindicado pelos estudantes está parada há cinco anos e a supostas dificuldades da reitoria para concluí-la, até o momento, foram insuperáveis.
O setor jurídico da Unifesp atua muito rápido para tentar estancar a crise da universidade superficialmente. A reitoria não procura resolver os problemas e atender as reivindicações dos estudantes. Quer apenas calá-los.
Os estudantes da Unifesp continuam mobilizados em greve exigindo o atendimento de suas reivindicações.