Pelo fim dos processos – Todos aos atos nesta terça e quarta-feira (22 e 23 de maio)

Concentração em frente à reitoria, a partir das 9h. Passeata em direção à Procuradoria Geral da USP, na rua Alvarenga, para exigir o fim dos processos e nenhuma punição aos estudantes que ocuparam a reitoria

Na última quarta-feira, mais de 500 estudantes foram à Procuradoria Geral da USP para exigir que seus colegas não sejam punidos por se manifestar politicamente contra a polícia no campus e os planos de privatização da USP levados adiante pelo reitor-interventor.
Na última quarta-feira, mais de 500 estudantes foram à Procuradoria Geral da USP para exigir que seus colegas não sejam punidos por se manifestar politicamente contra a polícia no campus e os planos de privatização da USP levados adiante pelo reitor-interventor.

Acuado pela manifestação realizada na última quarta-feira, Rodas adiou o a primeira audiência dos processos abertos contra cerca de 50 estudantes que ocuparam a reitoria em novembro passado.

O reitor-interventor pretende realizar outras oitivas nesta terça-feira (22/5), a partir do mesmo horário.

Além disso, audiências semelhantes já estão marcadas para os próximos dias 23, 29 e 30 de maio, e outros dias no próximo mês.

Os alunos processados deverão se apresentar obrigatoriamente a essas audiências, correndo o risco de serem punidos por não o fazer. A reitoria se encarregou disso, incluindo no processo uma cláusula que diz, literalmente, que “seu não comparecimento implicará em revelia e confissão acerca da matéria de fato”.

Trata-se da maior onda de repressão e perseguição política na universidade desde a ditadura militar.

É preciso sair novamente às ruas para impedir que a ditadura do reitor-interventor leve à expulsão de nossos companheiros, considerados “criminosos” por lutar contra a polícia no campus e a privatização da universidade.

Um comentário

  1. Absurdo um monte de estudantes previlegiados como voces, ao inves de se preocuparem em estudar e se formarem pessoas de bem, ficarem lutando e fazendo desses pequenos atos um ideal politico!
    A policia tem sim que ficar dentro do campus, e impedir que estudantes fiquem fumando maconha pela imensidao da cidade universitaria, que ao inves do que o nome diz, nw eh uma cidade, nw tem leis proprias e por consequencia, as pessoas que alih estao NW TEM O DIREITO de fazer coisas que nw sao permitidas dos portoes pra fora!!!
    Nw estao contentes saiam, existem muitas pessoas que dariam a vida para estar estudando no lugar de voces!!!!

    Curtir

Os comentários estão desativados.