27 de Outubro, um ano depois

Neste mês, o confronto entre a PM e os estudantes ocorrido em 27 de outubro de 2011, completa um ano. A luta dos que se levantaram para tentar impedir a prisão de dois companheiros na FFLCH desencadeou uma série de mobilizações estudantis que expôs a ditadura que existe hoje na USP
Estamos nos aproximando do marco de um ano de uma das datas mais importantes do último período para o movimento estudantil da USP. No dia 27 de outubro de 2011, ocorreu um enfrentamento entre os estudantes da USP e Polícia Militar no estacionamento da FFLCH.
Naquele dia, três estudantes foram presos acusados de estarem fumando maconha. Indignados com a prisão, centenas de estudantes protestaram contra a presença da PM no campus e tentaram impedir que os três companheiros detidos fossem levados presos pela polícia.
Os manifestantes, no entanto, foram barrados pela então diretora da FFLCH, e a burocracia do movimento estudantil. Após o protesto espontâneo, uma assembléia extraordinária se realizou e decidiu pela ocupação imediata do prédio da direção da faculdade.
Depois deste marco, tiveram vários acontecimentos importantes, como a ocupação e reintegração da reitoria, a abertura dos processos pela direção da universidade contra os estudantes, as manifestações contra os processos, a reintegração da moradia retomada, expulsões/eliminações de estudantes que participaram de lutas anteriores ao 27 de Outubro etc.
O 27 de Outubro não foi o começo. Foi o estopim da revolta dos estudantes contra os ataques promovidos pelo reitor-interventor João Grandino Rodas, como contra a presença da polícia no campus.
Rodas foi imposto pelo então governador José Serra (PSDB), apesar de ter ficado em segundo lugar na escolha do colegiado da universidade. O objetivo de tal imposição era justamente combater o movimento estudantil e dos funcionários e professores que lutam contra os ataques que a universidade e os membros da sua comunidade vêm sofrendo e viabilizar a privatização da USP.
Agora, devemos aproveitar esta data para voltar a nos organizar e retomar a luta com ainda mais intensidade contra Rodas, a PM e a privatização da USP.
O setor combativo do movimento estudantil que participou ativamente do dia 27 de Outubro, junto com aqueles que apoiam a luta contra a PM na universidade, estão organizando uma semana de luta, nos dias que antecedem esta data para debater e se manifestar. Fique atento à programação e participe!