ACORDA, CRUSP!

Essa violência institucional imposta pela COSEAS/SAS, infelizmente e tragicamente defendida por uma parcela dos moradores, por suas exigências infinitas, cobranças, prazos e é claro a grande humilhação a que temos que nos submeter todos os anos, são só a ponta do icebergue cruspiano… No final da contas aquela ambulância parada na COSEAS – que tantos se gabam de ter conquistado, mas que em verdade lá está com o custo da vida de nosso amigo Samuel, morto na praça do relógio de sol por falta de atendimento – não conseguiu evitar as tragédias presenciadas recentemente nesta moradia, tampouco o fazem os quilos de antidepressivos distribuídos em larga escala pelas queridas assistentes sociais.

Contudo, meus amigos, já é de nos saltar os olhos o que nos falta, o que sempre tivemos de fazer para nos mantermos vivos e sãos até aqui é lutar. Lutar para passar no vestibular, para vencermos a humilhação de implorar pra morar, pra comer, lutar pra se manter no curso, sem dinheiro pro xerox, disputando um livro a tapa na biblioteca. Sabemos, meus amigos, os que vieram antes de nós, lutaram por essa moradia, muitos sucumbiram, mas o CRUSP está aqui hoje, ainda em pé.

Mas, e nós? Continuaremos ajoelhados frente a tudo isso? Ou, de uma vez por todas, nos levantaremos e atearemos fogo aos que não nos querem aqui? Ficaremos calados ou gritaremos em som altissonante, AUTONOMIA! Por que o CRUSP é nosso, nós que moramos e sentimos na pele o que é viver aqui! Meus amigos, O CRUSP NÃO FOI DADO, ELE FOI TOMADO! RETOMEMOS A VIDA NO CRUSP! SAIAMOS TODOS DE NOSSAS CAIXAS E EXIJAMOS NADA MAIS DO QUE DIGNIDADE!

Rafael Alves