Porque privatizar a POLI-USP

Qual a razão para alguns alunos irem presos por defenderem  a Universidade Pública e gratuita para todos, até para aqueles que não querem fazer parte da Universidade Pública e gratuita.
A POLI assim, é uma contradição absoluta.

1- Reúne a classe mais bem dotada economicamente, mas seus alunos nada pagam para estudar.

2- Recebem uma das maiores dotações da USP (não dá para saber exatamente quanto) mas devolvem muito pouco a sociedade.

3- Alguns dos seus professores trabalham em regime de dedicação exclusiva, mas atuam em benefício próprio em Fundações privadas.

4- Fundações privadas se valem de equipamentos públicos para exercer sua atividade e devolvem muito pouco a Universidade, sendo fácil assim, arguir eficiência.

5- Confundem a coisa pública com propriedade privada.

6- Reúne uma elite intelectual, mas são capazes de produzirem atos de extremo mau gosto com orgulho.

7- Não bastasse isso, ainda divulgam esses atos na internet para afrontar toda a sociedade que os mantém com o ICMS, (imposto que recai sobre a população mais pobre em sua maior parte).

8- Seus alunos fazem parte da USP, mas se consideram superiores e renegam os demais alunos e a sociedade em geral.

9- …
Assim, repensei.
Como provavelmente, não será possível a privatização pura e simples com repasse dos recursos angariados ao restante da Universidade, sugiro a instituição de uma Fundação privada nos moldes da FUVEST, que é uma instituição privada instituída pela USP.
A POLI manteria o Status de “originária” na Universidade Pública, mas seus funcionários, professores, pesquisadores e alunos deveriam se manter com os recursos angariados no mundo privado. Os alunos que podem pagar pagariam e os que não podem pagar poderiam ser bancados pela PROUNI com bolsas.
Vantagens:

1- Os alunos poderiam fazer as festas e gincanas que desejassem, pois não estariam sendo bancados com recursos públicos.

2- O espaço da Poli deixaria de ser público puro passando a ser administrado pela Fundação privada. Levantaria-se um muro.

3- Não seriam mais prejudicados pelas greves dos demais alunos da USP, que precisam desse ato de força para serem ouvidos nos seus pleitos.

4- As ocupações e protestos dos demais alunos não os interessaria e deles não mais se beneficiariam.

5- As Fundações privadas demonstrariam sua eficiência, ao se manterem buscando recursos, no mercado privado e vendendo seus produtos livremente.

6- Sobrariam mais recursos ao Estado para aplicar nas outras áreas da USP e em educação, saúde, transporte público.

7- Poderiam colocar livremente a segurança que desejassem lá dentro.

8- Poderiam contratar o Rodas como gestor e fazer esse último favor a comunidade USP.

9- FINALMENTE: Os alunos da FFLCH ao serem acusados de criminosos por estar defendendo a USP Pública e de Qualidade, não estariam sendo presos por defender os interesses também dos alunos da POLI e mesmo assim serem abandonados e agredidos por eles.
TODO MUNDO FICARIA FELIZ

 Luis Rodrigues da Silva,

(um aluno que não aceita ver alunos sendo processados por protestarem.)