Junto com os professores contra o PSDB – AÍ SIM!

Imagem

Estudantes da USP realizam campanha contra os processos, colhendo assinaturas para o abaixo-assinado contra o processo, distribuindo milhares de panfletos, cartazes e adesivos

Na última sexta-feira, cerca de 20 mil professores tomaram a Av. Paulista como ato inicial da greve deflagrada. A mobilização foi integrada por outros setores do funcionalismo estadual, por estudantes secundaristas e das universidades estaduais, que lutam contra a política repressiva do governo do PSDB.

Os processados da USP utilizaram este dia de luta para ampliar a campanha contra a tentativa de colocar na cadeia 72 estudantes que participaram da ocupação da Reitoria em 2011.

Um ônibus foi disponibilizado pelo Jornal da USP Livre! para levar os estudantes ao ato. Esta iniciativa permitiu também ampliar a campanha contra os processos na USP. Durante a semana foram distribuídos dezena de milhares de exemplares do USP Livre! convocando os estudantes a participar da manifestação. Os processados passaram em sala de aula, além de organizar uma ampla agitação no Bandejão Central.

No ato dos professores,  os processados da USP e Unifesp, organizaram uma banca para colher assinaturas, distribuir adesivos, cartazes e panfletos. Durante o ato foram colhidos cerca de mil assinaturas além de uma boa arrecadação financeira que será destinada à confecção de novos materiais.

Os processados, com faixas, um banner e pirulitos ocuparam a paulista e marcharam junto com os professores. Durante o trajeto, os estudantes da USP conversavam com a população nos ponto de ônibus e continuavam a distribuição de materiais da campanha contra os processos.

Durante a marcha, o  companheiros André Sarmento, um dos 72 processados da reitoria, utilizou o espaço concedido no carro de som para denunciar ditadura do PSDB, a privatização  da USP promovida pelo reitor-interventor João Grandino Rodas, além de exigir a expulsão da PM do campus. O companheiro também convidou os professores a encampar a campanha contra os processos nas escolas, unificando as forças contra o governo inimigo da Educação e do povo trabalhador.

Esta foi uma importante inciativa para ampliar a luta dos estudantes da USP e da Unifesp contra os processos. É preciso defender a universidade pública e gratuita e a liberdade de expressão e organização. Convidamos todos a participarem desta luta.

Pelo fim dos processos!

Fora Rodas!

Fora PM!

Imagem