E a assembleia DCE?

Depois da palhaçada armada pela direção do dCe (Psol/PSTU) na última assembleia
geral dos estudantes da USP, que levou ao encerramento da assembleia logo no começo, a diretoria do dCe anunciou nas redes sociais a realização da próxima reunião do CCA (Conselho de Centros Acadêmicos), que ocorrerá no próximo dia 4 de maio. Sem pauta.
A pauta será definida na próxima reunião de diretoria do DCE. Fica a pergunta: e a assembleia geral?
A última assembleia foi implodida pelo DCE quando este endossou as acusações absurdas feitas aos companheiros do PCO e quis impor que estas não fossem discutidas na assembleia. Os militantes do PCO teriam que aguentar calados. Não aguentaram.
Após a assembleia o DCE lançou uma campanha oportunista contra o “machismo” no
movimento estudantil com vistas a “expulsar do movimento” o PCO, conforme declarações e notas de diretores do DCE divulgadas na internet. Não se sabe como as correntes que dirigem o DCE pretendem fazer isso. talvez por isso, não se fala mais em assembleia geral. Seria este um
meio de impedir os militantes do PCO, ou qualquer outra pessoa, de participar do movimento
estudantil? Acabar com as assembleias gerais pode impedir o movimento de se organizar?
diante deste fato, o dCe chegou a declarar em reunião ordinária que nenhum outro fórum
(leia-se: assembleia) se realizará com a presença dos “agressores machistas” do PCO.
Não levando em consideração, neste momento, o absurdo desta campanha para expulsar
um agrupamento de luta do movimento e até mesmo utilizar os mesmos métodos de rodas, a
PM (os processos) para atacar os opositores, é necessário prestar atenção num detalhe: a assembleia geral dos estudantes. Como fica a situação das assembleias? Com a implosão da última assembleia do dia 11, a que situação chegamos? A próxima assembleia não foi marcada. Isto implica no fato de que nenhuma proposta de ação, de luta, contra rodas, a PM e os processos (que se multiplicam nesse momento) poderá ser aprovada. Com esta situação a direção do DCE fica livre, leve e solta para não fazer nada, ou ser pressionada a fazer. Não precisa “prestar contas” da convocação da assembleia, da organização de um ato, de uma passeata, de nada! Muito oportuna para o DCE a implosão da assembleia .
É preciso lembrar que esta direção do DCE (Psol e PSTU) está no comando da entidade
há praticamente dois anos. Vem realizando cada vez menos assembleias. Já chegou a declarar em uma reunião ordinária que as assembleias são “perigosas”.
Podemos facilmente imaginar para quem.
Só para lembrar alguns casos: em 2011, realizou uma assembleia. No começo do ano. No
campus da EACH (USP Leste). Depois disso, em agosto daquele ano, rodas aprovou o convênio USP-PM no Conselho Gestor do Campus e, até 27 de outubro, quando explodiu a mobilização contra a PM no campus, nenhuma assembleia foi realizada.
Outro exemplo, do começo deste ano. Após a denúncia do Ministério Público contra os 72
estudantes, o DCE também não queria realizar uma assembleia para discutir o assunto, chegou a implodir uma plenária para que não fosse aprovada uma assembleia. Só depois de muita pressão a assembleia foi marcada.
É obrigação do DCE marcar uma próxima assembleia para que os estudantes possam discutir, democraticamente medidas de ação contra os constantes ataques da reitoria que não param de acontecer, com novos processos, aprofundamento da privatização do bUSP, ataques constantes aos moradores do CRUSP etc.