Contra os processos, a luta

Imagem
Faixa em defesa dos estudantes processados na passeata dos professores estaduais em greve, no vão livre do MASP.

O maior ataque ao movimento estudantil no atual momento são os processos contra aqueles que lutam, como punição às manifestações, ocupação de reitoria, etc. E a USP é o principal foco destes processos, com mais de cem casos diferentes, sendo os 72 presos na desocupação da reitoria, 11 na moradia retomada e tantos outros.

Eles já foram punidos em um processo administrativo, com pena de suspensão de 5 a 15 dias e agora estão sofrendo um processo criminal, que pode leva-los a até oito anos de prisão. Além destes, também passaram pelo tribunal de inquisição de Rodas e podem ser condenados criminalmente os estudantes presos na reintegração da Moradia Retomada. Há ainda as recentes intimações da polícia sobre o catracaço no bandejão, ocorrido em uma manifestação contra os próprios processos, estudantes que foram eliminados, entre outros casos.

Em toda universidade em que os estudantes lutam contra os ataques ao ensino público e gratuito, a situação de perseguição política é o mesmo. Casos como a Unifesp, Unesp, UFMT, UFES, entre outras, possuem diversos casos de estudantes processados.

Não há qualquer respaldo legal, sequer, para que isto seja levado em frente. É uma verdadeira inquisição, em que é imputada a maior quantidade de crimes possíveis, com provas falsas, etc. No caso dos 72 presos, isto fica claro quando a própria promotora que lhes denunciou, declarou à imprensa que eles são “bandidos”, ou seja, são criminosos por princípio.

Esta situação coloca em xeque qualquer liberdade de manifestação dos estudantes e de toda a sociedade. Caso as acusações sejam acatadas, qualquer tipo de manifestação poderá ser considerado um crime, levando quem ousar se levantar aos ataques dos governos à cadeia.

Devido ao caráter político destes processos, a única forma de combatê-los é travando uma luta no mesmo plano, com uma ampla campanha política, denunciando os ataques e em defesa dos métodos de luta do movimento estudantil.