Rodas votou contra reconhecimento de assassinato de Edson Luiz pela ditadura

Imagem
Para Rodas o estudante Edson Luiz não foi assassinado pela ditadura.

O reitor-interventor da USP foi indicado por Fernando Henrique Cardoso, do PSDB, para o cargo na Comissão Especial sobre Mortos e Desaparecidos Políticos (CEMDP) e votou junto com general Oswaldo Pereira Gomes contra o reconhecimento da morte de Edson Luiz no Rio.
Entre as funções de Rodas nesta comissão estavam reconhecer formalmente caso por caso, aprovar a reparação indenizatória e buscar a localização dos restos mortais que nunca foram entregues para sepultamento.
A comissão era composta de sete integrantes: um deputado da Comissão de Direitos Humanos da Câmara, uma pessoa ligada às vítimas da ditadura, um representante das Forças Armadas, um membro do Ministério Público Federal e três pessoas indicadas pelo presidente da República, Rodas era uma delas.
João Grandino Rodas, indicado por FHC, ocupou a comissão desde o início, dezembro de 1995, que durou até dezembro de 2002, representando o Ministério das Relações Exteriores.
Os votos de João Grandino Rodas, confirmados no livro-relatório Direito à Memória e à Verdade mostram que dos pedidos em que ele foi desfavorável, pelo menos 11 acabaram sendo deferidos pela CEMDP. Em todos estes casos, Rodas esteve com o general Oswaldo Pereira Gomes, representante das Forças Armadas, e/ou promotor Paulo Gustavo Gonet Branco, representante do Ministério Público Federal.
Rodas foi contra o reconhecimento do assassinato do secundarista Edson Luiz Lima Souto, morto com um tiro no peito à queima roupa, no restaurante Calabouço, no Rio de Janeiro.

Veja o que diz o livro Direito à Memória e à Verdade sobre o caso:

Edson Luiz Lima Souto (1950 – 1968)
Número do processo: 310/96
Filiação: Maria de Belém Lima Souto
Data e local de nascimento: 22/08/1956, Belém (PA)
Organização política ou atividade: Movimento Estudantil
Data e local da morte: 28/03/1968, Rio de Janeiro (RJ)
Relator: João Grandino Rodas (1º) e Nilmário Miranda (2º)
Deferido em: 24/04/1997 por 4×3 (votos contra João Grandino Rodas, Paulo Gonet Branco e o general Osvaldo Gomes)