Estudantes ocupam reitoria da UFMA

Imagem
Policiais vigiam do lado de fora da reitoria ocupada pelos estudantes.

Os estudantes da Universidade Federal do Maranhão (UFMA) ocuparam a reitoria da universidade na terça-feira, 7, em São Luiz, após a Assembleia Geral dos Estudantes. As principais reivindicações são de melhorias da assistência estudantil, reivindicadas desde 2007.

De acordo com os estudantes, durante a assembleia eles se dirigiram até a reitoria para entregar a pauta de reivindicações e, por não serem atendidos, decidiram pela ocupação do local, até que todas as reivindicações sejam atendidas. A iniciativa foi tomada depois de uma série de tentativas de negociação frustradas com a reitoria.

A direção da UFMA, no entanto, declarou a ocupação como “abusiva”. Além disso, a energia, internet e água foram cortadas na reitoria que ainda foi cercada por guardas universitários para impedir a entrada e saída do prédio, chegando a agredir estudantes que tentaram se somar à ocupação.

Entre as reivindicações, as mais importantes são a criação de Casas dos Estudantes dentro do Campus, ampliação do Restaurante Universitário, Creche Universitária e mais linhas de ônibus.

Cerca de 70 estudantes ficaram acampados no pátio da UFMA.

A situação na universidade é tão precária que esta é a quinta vez que a reitoria foi ocupada, desde 2007. De lá até 2009 os estudantes realizaram três ocupações por não terem suas pautas atendidas, apesar das promessas e de haver, inclusive, verba para tal. Em 2012, os docentes da universidade decidiram pela ocupação durante a greve, que já durava três meses.

Na quinta feira dia 9, os estudantes desocuparam depois que oficiais de justiça foram até prédio da reitoria para apresentar o mandado de reintegração de posse. Os estudantes decidiram sair para não serem condenados judicialmente.

Esta ocupação se soma a diversas greves e ocupações que estão ocorrendo pelo país, como em diversos campi Unesp e a greve geral na Universidade Estadual de Goiás. Estas mobilizações são uma resposta ao total sucateamento do ensino público no País.