Estudantes da Unesp aprovam ato unificado na reitoria

Quatro campi já estão em greve na Unesp e a mobilização é geral. Em três deles os estudantes fazem ocupação como forma de protesto.
Na Unesp de Marília cerca de mil estudantes realizaram uma assembleia geral e aprovaram pela greve geral por tempo indeterminado que já completa quase 20 dias.
Ocuparam também o prédio da diretoria e do restaurante universitário até que haja a revisão de critério socioeconômico para as bolsas. Segundo os estudantes do campus, eles tem se mobilizado contra a precarização das medidas de permanência estudantil, pois faltam bolsas, refeições e vagas na moradia estudantil.
Além disso, existe uma defasagem no número de professores concursados. Para tentar disfarçar esse problema, alguns cursos funcionam com professores substitutos. Esses professores não podem orientar pesquisas, recebem menos e não possuem direitos trabalhistas. Essa situação não é exclusiva do campus de Marília.
Os campi de Araraquara, Ourinhos, Assis também estão em greve. O campus de Bauru paralisou as atividades na terça-feira, dia 7 de maio.
No final de semana do dia 4 e 5 de maio os estudantes se reuniram no Conselho de Entidades Estudantis e aprovaram um ato unificado na Reitoria da Unesp, localizada no centro de São Paulo, no dia 17 de maio, unificando a luta pela educação com professores da rede municipal e estadual. Aprovaram também um Fórum de Moradias, em Marília, dias 15 e 16 de junho.