O que o CRUSP poderia ter sido, mas não é

Tietgenkollegiet, o “salão do estudante”, é uma residência universitária localizada em Copenhague, Dinamarca. Inaugurada em 2006, ela conta com 360 quartos distribuídos em sete andares.

Para cada 12 quartos, há uma cozinha comunitária, equipada com louças, utensílios domésticos, geladeiras, fornos e fogão, além de mesas de jantar.

Ao lado das cozinhas, há lavanderias equipadas com máquinas de lavar e secar roupas.

Há ainda salas de reunião, de lazer, de leitura, área de informática, salas de música equipadas e área de esportes.

O projeto do CRUSP apresenta características semelhantes, mas hoje ele está muito distante do que é o dormitório dinamarquês. O único motivo para a USP não ter uma residência universitária como essa é a política dos diversos governos de São Paulo e dos reitores por eles colocados, que trabalharam para degradar as condições de vida no CRUSP no decorrer dos anos e cujo grande objetivo é extinguir o Conjunto Residencial da USP.

Uma boa residência estudantil, com uma boa infra-estrutura e que permita a convivência e troca de ideias entre os estudantes é essencial para o bom desenvolvimento da própria universidade. Assim como espaços nas próprias faculdades.

Em lugar disso, temos péssimas instalações e uma vigilância e espionagem dignas da ditadura militar, condições que só se aprofundaram com a subida do reitor-interventor João Grandino Rodas.