Ato mostrou a importância da mobilização estudantil na Unesp

Ato unificado da Unesp ocorrida na última sexta-feira (17) reuniu cerca de 400 pessoas, entre estudantes de diversos campi e apoiadores da USP, professores estaduais e municipais, etc. em frente da reitoria na rua Quirino de Andrade. O ato foi importante para mostrar o tamanho da mobilização, pressionar a reitoria e dar continuidade à luta dos estudantes da UNESP, colocando em debate a ampliação para todas as universidades estaduais.

No ato, foram feitas diversas falas de denúncia da situação que os estudantes estão passando nos diversos campi, explicando a pauta e de apoio à mobilização dos estudantes da Unesp. Foi falado também da necessidade de unificar as três estaduais, uma vez que todas passam por problemas similares e serão afetadas pelo PIMESP.

Entre as palavras de ordem, os estudantes falavam também da unificação e da possibilidade de ocupar a reitoria, caso as propostas não fossem atendidas. De fato, a manifestação estava bastante radicalizada e o prédio não foi ocupado principalmente devido ao cordão policial na frente deste.

Durante a manifestação, um grupo de representantes dos diversos campi presentes fez uma reunião com a reitoria para discutir as reivindicações. Os representantes chegaram a fazer algumas promessas, como analisar a fundo as pautas e realizar as reformas que já estavam marcadas, mas nada de concreto foi dado.

A reitoria chegou a ameaçar acabar com a reunião, devido ao protesto que ocorria em frente, mas os estudantes se recusaram e a reunião continuou. Além disso, tentou impedir que representantes de campi que não estavam em greve e chegaram mais tarde de entrar na reunião, sem qualquer tipo de explicação.

Foi aprovado ainda que fosse feita uma outra reunião presencial com os representantes discentes, para se negociar as pautas. A reitoria, no entanto, passou por cima do decidido e agora quer impor uma reunião por vídeo conferência e ainda determinar parâmetros para a escolha dos representantes. Além de passar por cima do que havia sido deliberado, a proposta é uma afronta à própria organização dos estudantes que não podem sequer escolher seus representantes.

A atitude da reitoria visa impedir que o conjunto dos estudantes se organizem em mais uma manifestação que, além de pressionar a direção da universidade, pode sair do controle desta e determinar pela ocupação da reitoria.

Os estudantes, por outro lado, deliberaram ao fim do ato um indicativo de greve e ocupação de todas as diretorias acadêmicas, caso a reitoria não atenda as reivindicações.