UFRJ: Reitoria ataca o direito à moradia

Os estudantes da Universidade federal do Rio de Janeiro repudiaram e denunciaram as arbitrariedades do projeto de reforma da Residência Estudantil (Alojamento), por parte da superintendência de assistência estudantil (Superest)/Reitoria.

A reitoria está utilizando a reforma para atacar o direito a moradia. A Superest propõe acrescentar ao Benefício Moradia um auxilio financeiro emergencial também de 400 reais para os moradores afetados pela reforma. Este valor não atende as demandas de habitação na cidade do Rio de Janeiro. Os estudantes afetados terão de arcar com os s gastos, como luz, água, gás e aluguel.

A carta aprovada na assembleia geral denuncia que  “(…) não há nenhuma garantia de volta dos moradores para o Alojamento. Nem garantias suficientes para os moradores agregados – no contrato assinado por nós, ter um agregado consta em sanções, podendo chegar a expulsão do morador oficial. A garantia dada ao agregado, até o momento, é apenas verbal” (alojamentoufrj.blogspot.).

Os estudantes também denunciaram que a atual gestão ainda não cumpriu as promessas de reforma anunciadas em 2010. É comum a falta de energia e água. O sistema de internet foi improvisado pelos próprios estudantes e não corresponde a demanda do alojamento. O campo de futebol, única área de lazer, esta completamente danificado.

É sabido de todos que a moradia é fundamental para a permanência dos estudantes na universidade. As dificuldades enfrentadas pelos estudantes provoca a uma grande evasão nos cursos e casos de suicídios.

Em todo o país não existe um programa de assistência estudantil que atenda realmente às necessidades estudantis. A situação do alojamento da UFRJ é quadro geral das moradias estudantis.

Os sucessivos governo do PSDB e do PT aprofundaram a política de privatização das universidade pública. O sucateamento da educação expresso na ausência  de uma política de permanência estudantil.