Diretoria da USP/Lorena também quer mais câmeras no campus

O responsável pela segurança no campus de Lorena, da USP, Laércio Siqueira, informou que está sendo providenciado um sistema de câmeras que será monitorado 24h por guardas.

A instalação de câmeras na USP como uma suposta solução para a segurança não é uma novidade. Desde 2008, o campus Butantã é controlado por dezenas de câmeras, espalhadas em postes, nas faculdades e mais recentemente até mesmo dentro do bandejão. Na FFLCH câmeras também deverão ser instaladas, em nome da “segurança”, apesar de não haver qualquer levantamento de dados a respeito de casos de violência ou furtos.

Em 2012 o Jornal da USP Livre! denunciou a existência de câmeras escondidas atrás de dois quadros dentro do saguão central do Restaurante Universitário Central que foram retiradas pela Superintendência de Assistência Social (SAS) no mesmo dia, sem dar qualquer explicação.Neste ano, foram instaladas novas câmeras de vigilância no local.

Este sistema de monitoramento não serviu para impedir ou mesmo achar os culpados pelos casos mais conhecidos de sequestros relâmpagos e do assassinato do estudante da FEA, Felipe Ramos de Paiva. Por outro lado, diversos estudantes já foram chamados para depor na polícia e sãoprocessados por serem identificados em filmagens de manifestações.

O caso mais recente foi o da manifestação ocorrida no primeiro dia de depoimentos das sindicâncias contra os 72 presos da desocupação da reitoria. Após a passeata os estudantes decidiram fazer um catracaço no bandejão e foram filmados pelos agentes da SAS. As imagens feitas foram usadas, posteriormente, para intimar seis estudantes moradores do CRUSP, para prestar depoimentos e com intuito de chegar a outros manifestantes.

As câmeras não representam de forma alguma uma medida de segurança, mas servem apenas para aumentar o controle sobre a vida dos estudantes, podendo ser usado para intimidações e ingerências da direção da universidade.