FFLChhhhiu!!! Estudantes organizam 1ª Virada Gutural contra lei do silêncio

Reclamações de professores exigindo silêncio nas salas de aula e o fim da “balbúrdia coletiva” (festas e assembleia geral dos estudantes) forçaram o novo diretor da FFLCH, Sérvio Leite Morno a convocar com pauta extraordinária a Congregação Cristã da faculdade.

O diretor fez a abertura dos trabalhos em tom baixo e comedido:

“Prezados Senhores que vieram a mim requisitar ações contra as picardias estudantis em recinto acadêmico. Vinde a mim todos os que estiverem cansados e sobrecarregados, e eu vos aliviarei. Tomai sobre vós o meu jugo, e aprendei de mim, porque sou manso e humilde de coração; e achareis descanso para as vossas almas. Porque o meu jugo é suave e o meu fardo é leve. (Mateus 11.28-30)”

“Viemos reclamar desta falta de vergonha, deste barulho infernal, desta libido exaltada, destas orgias, desta universidade que está virando cada vez mais a casa da mãe Maria Joana!” gritou um dos chefes de departamento Décio Impotêncio Pinto.

Responderam em uníssono e em baixo tom as entidades estudantis presentes do DCE, dos CAs:
Agnus Dei, qui tollis peccata mundi, miserere nobis.
Agnus Dei, qui tollis peccata mundi, miserere nobis.
Agnus Dei, qui tollis peccata mundi, dona nobis pacem
[som de órgão eclesiástico e harpas ao fundo]

A reunião extraordinária teve como algumas de suas resoluções que as assembleias sejam organizadas em linguagem de libras, que sambas, maracatus e rocks progressivos sejam substituídos por João Gilberto e que imagens de anjos sejam pintadas nas paredes dos prédios, ao lado de lantejoulas que serão pregadas em cortinas azul bebê.

Quanto aos espaços estudantis aprovou-se manter a lei de Newton, de que dois corpos não ocupam o mesmo espaço.

Acossados pelas medidas, setores estudantis de oposição começaram a organizar a 1ª Virada Gutural da USP. A ideia é ultrapassar qualquer barreira de decibéis imposta pela burocracia universitária.

Para o festival, que deverá ocorrer em frente à administração, já estão confirmadas as bandas Grito Primal, de estudantes da psicologia seguidores de Arthur Janov, a banda Cães no Cio, formada no Canil da ECA, a banda punk Pedreiros do Haiti, além do grupo de grind core construtivista Makita. Há negociações para que a banda Massacration também compareça.

Um comentário

Os comentários estão desativados.