Moradia deve ser controlada pelos próprios estudantes

A burocracia universitária asfixia toda a liberdade das moradias, através de seus regimentos internos, colocando à margem de decisão os principais interessados: os estudantes.

Basta observar a ditadura vigente no CRUSP. Os estudantes não participam na elaboração do orçamento, no destino das verbas, na elaboração dos critérios para o ingresso e no rumo das  moradia. Continua nos postos de mando a mesma burocracia, pessoas de confiança da Reitoria. O órgão de assistência estudantil é centralizado na figura de um elemento totalmente alheio ao cotidiano do local e distante dos anseios dos moradores.

Nos últimos anos ficou claro que a única maneira de a moradia dos estudantes atender as reais necessidades de seus moradores e de todo o conjunto de estudantes da universidade é que ela seja administrada pelos próprios moradores.

Isto permite que os próprio estudantes decidam sobre o seu destino em todas as áreas interesses, sem restrições impostas pela burocracia universitária, representante dos interesses da burguesia na universidade.

Para que o controle seja exercido efetivamente deve contar com a participação decisiva dos estudantes, em seus próprios fóruns sem a interferência da burocracia universitária.