SAS/COSEAS se autopromovendo à custa dos moradores do CRUSP

Imagem
Imagem do site oficial da corrida/balada promovida pela SAS/COSEAS que custa apenas R$ 79,00 para participar.

Diante da denúncia recebida pelo e-mail da redação do jornal da USP Livre! (usplivre@hotmail.com), procuramos mais informações a partir dos links enviados sobre o evento promovido pela SAS/COSEAS.

Segundo o e-mail oficial da USP enviado para os estudantes: “o evento é realizado especialmente pela Superintendência de Assistência Social – SAS – e visa promover a qualidade de vida aos alunos moradores do CRUSP por meio de práticas esportivas.”, uma completa farsa. A corrida “realizada” pela SAS, existe, é na verdade uma atividade esportiva privada, Energizer Night Race promovida pelas pilhas Energizer e patrocinada por outras empresas, como a megastore Fnac, o isotônico Gatorade, a confecção de moda fitness Supplex, o canal BUS TV, Netshoes, Calminex e a confecção Santa Constância.

De acordo com o site oficial da corrida, “Depois de passar pelos Estados Unidos, Canadá, América Latina, Europa e Ásia, chega ao Brasil a ENERGIZER NIGHT RACE. O circuito encerra seu tour mundial com uma corrida aqui no Brasil, em São Paulo, dia 25/05.”. E ainda diz “A Energizer é uma corrida noturna criada especialmente para quem sonha com um mundo mais brilhante [!!!????]. Embalados por muita música, headlamps presas à cabeça e uma noite de diversão garantida!”.

A atividade também foi divulgada em um calendário esportivo no site da Prefeitura do Campus da Capital que também assina o e-mail enviado aos estudantes.

Ainda como diz o e-mail, participar da corrida, que é uma espécie de corrida/balada pelo campus, com apresentação de djs e bandas, não é gratuito. É necessário comprar um “kit” com camiseta da Energizer e outros badulaques entre eles o tal dos headlamps. O kit é obrigatório para participar da corrida e custa “meros” R$ 79,00. “Uma verdadeira pechincha para os estudantes moradores do CRUSP (!!!)”.

A observação do estudante que nos enviou o e-mail é pertinente, a SAS e a Prefeitura do Campus estão promovendo uma atividade particular utilizando o espaço da USP e ainda dizendo que estão querendo “promover a qualidade de vida aos alunos moradores do CRUSP”. Na verdade estão se autopromovendo. A SAS usa esta atividade particular para dizer que tem alguma preocupação com os moradores do CRUSP. Um completo cinismo, pois estes estudantes são os mais prejudicados de toda a USP com a política da reitoria.

E para constar a preocupação destas duas unidades com o bem estar da comunidade universitária basta lembrar que em 2010 elas prontamente cortaram o ponto dos funcionários em greve.

Enquanto o CRUSP está literalmente caindo aos pedaços, os serviços prestados são os piores possíveis, vide o sinal de internet (inexistente), a vigilância ostensiva, a completa falta de vagas todos os anos e o tratamento de lixo dispensado aos estudantes pelas Assistentes Sociais, a direção da universidade promove atividades como estas que de uma forma ou de outra utilizam o espaço público em benefício de terceiros.

Os beneficiados não são os estudantes, mas as empresas privadas que lucram, e muito, com estas atividades ou mesmo a própria direção da universidade que deve vender o espaço e gastar o dinheiro em outros assuntos que não os de interesse dos estudantes.