O que quer o DCE com diretas para reitor e paridade

A atual reitora da Unifesp, Soraya Smaili, assumiu o cargo por meio de eleições diretas para reitor.

Soraya, junto com outros professores da Adunifesp, em 2008 defendeu a paridade, dizendo:

“Trata-se então de igualar os votos? Ou que cada voto docente valerá o mesmo que um voto de técnico administrativos ou 1 voto de estudante? NÃO! ERRADO, MUITO ERRADO! Isso seria verdadeiro se o colégio eleitoral dos docentes (o número de votantes) fosse igual ao colégio dos técnicos administrativos ou ao dos estudantes.”

Ou seja, a sua defesa da paridade não é a igualdade, o que seria “ultrajante” para os professores, mas justamente o fato de que esses vão manter sua superioridade. Seu voto continua valendo mais.

Eleita reitora, Soraya renovou a comissão de sindicância, que processa administrativamente os estudantes que mais participaram do movimento em 2012.

E Smaili ainda se nega a encerrar os processos criminais contra os alunos que fizeram um ato (14/06/12) em frente a diretoria acadêmica do campus Guarulhos.

Sobre a possiblidade da reitoria por fim aos últimos processos, cito o exemplo através do documento a respeito da proposta de acordo de transação penal referente à reitengração de posse da diretoria acadêmica da EFLCH (06/06/12): “A Transação Penal em discussão é parte do processo principal de Reintegração de Posse, movido pela Unifesp. Consultado o MM. Juiz na presença do Ministério Público Federal, se a ação principal (reintegração de posse) poderia ser encerrada, esclarecido pelo MM. Juiz que as partes (Unifesp e estudantes) podem optar pelo encerramento do processo”.

Mas a reitora não optou pelo encerramentodo processo.

E, advinhem: a reitora é do PSOL, que junto com o PSTU fez campanha, literamente, para que ela assumisse o cargo.

Não por coincidência, são os mesmos partidos do DCE da USP que tentam empurrar goela abaixo nas assembleias as “diretas para reitor” e a “paridade”.

O DCE quer trocar o Rodas por uma Soraya. Ou seja, trocar seis por meia dúzia.

Laisy Cruxên 

estudante da Unifesp.