As Indiretas para Reitor

A economia está passando por uma crise, que se repercute em crise política em todas as instâncias. Mais da metade da população não tem acesso à universidade, porém, vários fatores (falta de vagas na moradia, falta de bolsas para a permanência e privatizações), pioram ainda mais a situação, inviabilizando a continuidade dos estudos dos estudantes mais pobres. No Crusp, os estudantes sofrem com a despejos e a eliminações.

Os estudantes tem que arcar com toda produção científica da universidade sem poder decidir os rumos dados às pesquisas acadêmicas. Com o passar do tempo e pelo acúmulo de insatisfações, os estudantes começaram a se revoltar e a lutar pelo seus interesses e pelo direito universal à educação em todos os níveis. Dentre as demandas, a mais notória e imediata tem sido combater o intervencionismo do PSDB e de empresários na gestão da instituição e os privilégios dos professores e dos funcionários de alto escalão.

Toda esta situação fez com que a burocracia universitária (ligada à FIESP e ao Santander) ficasse cada vez mais ameaçada. A fim de contornar a crise, o monarca Rodas resolveu eliminar e prender alguns estudantes que ofereciam perigo ao projeto privatista.

Sentindo também que seus privilégios estavam ameaçados, professores, burocratas e diretores do DCE pressionaram o monarca para convocar o Conselho Universitário que ajudaria a lançar um candidato a monarca absolutista mais democrático.

Diante da toda essa situação, o pensador renascentista e professor Vladimir Safatle verifica que a comunidade universitária é dividida em três categorias: professores (1º estado), funcionários (2º estado) e estudantes (3º estado). Propõe, através da Adusp, que o monarca convoque a as Eleições dos Estados Gerais da USP, ou, como ficaram popularmente conhecidas, as Indiretas para Reitor, com voto paritário.

Pode se dizer que as Indiretas para Reitor terão relevante papel nas bases da sociedade e serão um marco divisório na história do país. Esse movimento terá a participação apenas dos estudantes, mas beneficiará vários setores sociais: professores titulares, diretores de unidades, professores doutores, diretores do DCE (estes, como tributo aos professores que lhes concederão bolsas, intercâmbios e cargos de gabinete). As Indiretas para Reitor serão um acontecimento tão importante que seus ideais poderão levar todo o movimento estudantil nacional ralo abaixo.

Ivan Conterno, estudante de Letras e militante do PCO