A USP dos Dinossauros Excelentíssimos?

Imagem
Sobre os professores que fazem um abaixo assinado contra métodos aprovados em assembleias estudantis, dizendo que é uma minoria de extremistas que promovem baderna. Sua opinião sequer deve ser respeitada. Isso é muito absurdo.

O piquete no meu curso, a Letras, ganhou em todas as assembleias. Inclusive na última, na segunda-feira, dia 21, quando mais de 500 estudantes estiveram presentes. O piquete só teve de ser aprovado, pois professores se achavam no direito de quando votamos pela greve na primeira semana de mobilização, dar aulas, provas e trabalhos.

Mais de 1.000 estudantes da FFLCH votam greve e piquete em assembleias de curso com discussões de dias, comandos de greve e mobilização, saem às ruas, apanham da polícia, correm risco de punição acadêmica…parte deles ocupam a reitoria e sofrem sem água e luz em situação quase insalubre.

Já os 150 professores, cuja maioria sequer saiu de seus gabinetes para debater com a própria categoria, assinam seu nome precedido do famoso “Dê-Erre” num manifesto de repúdio, e querem ser a voz moral de uma comunidade acadêmica de humanidades com mais de 15 mil membros.

É sobre essa pretensão de poder, que nós, grevistas há 23 dias estamos tratando. Chega de decisões por cima de uma burocracia inócua e adaptada ao fechamento político, à repressão, ao sucateamento do ensino. Chega da voz dos “Dê-Erres” serem ouvidas 500 vezes mais alto que a voz de cada estudante nos órgãos de poder da USP.

R. G.

2 comentários

  1. Jefferson, não sei se vai ler isto aqui, mas faço uma tréplica para sua réplica.

    Não tocarei em todos os pontos que você colocou, mas digo o seguinte: já parou para pensar que sempre há alunos prestes a concluir a graduação e que se isso for usado como impeditivo de greve ela nunca acontecerá? Aliás, gosto de dizer que “greve” em Inglês é “strike”, uma palavra bem mais contundente e condizente com seu significado.

    Eu poderia comentar um bocado sobre suas posições complacentes, submissivas e conformistas (“Alunos em situação insalubre? Me desculpem mas é uma opção auto infringida, estão lá por que querem e pelo quê acreditam, pois então não tem motivos para reclamar.”), além de bastante bajuladoras, mas por ora só deixo isto:

    https://usplivre.org.br/2013/10/14/estranha-paridade/

    Curtir

  2. Meu amigo, releia seu texto, 500 pessoas votaram por manutenção da greve em uma comunidade que vc mesmo cita como tendo mais de 15 mil pessoas.Isso é representativo da maioria dos alunos?
    Quanto aos “Dinossauros”, todos os professores de meu curso, os quais respeito e muito e com os quais aprendi o conceito de democracia participam deste abaixo assinado. Alunos em situação insalubre? Me desculpem mas é uma opção auto infringida, estão lá por que querem e pelo quê acreditam, pois então não tem motivos para reclamar. A mesma “pretensão de poder” que acusam os professores fazem uso ao impedir a livre circulação pelos prédios e ao prejudicar alunos que necessitam concluir o semestre (ou algum grevista já parou para pensar que há alunos prestes a concluir a graduação que serão prejudicados caso contrário).Acho que seria muito engrandecedor antes de criticar colocar-se na perspectiva do outro, entender os motivos de todas as partes envolvidas, sem se contradizerem o tempo todo. “Usp livre”, onde a circulação nos predios é impedida e as opiniões contrárias são ridicularizadas sem fundamentos efetivos; “usp democratica”,onde a ditadura do Rodas é substituída por uma ditadura das massas fanaticas e cegas quanto as atitudes que tomam sendo incoerentes com o discurso que adotam. Já parou para pensar que a carta dos professores poderia ser sim discutida com os alunos, se a oportunidade lhes fosse dada? No meu curso no inicio da greve os professores que tentaram conversar com os alunos foram impedidos por alunos do movimento dentro das salas de aula. O Rodas impedir os alunos de assistirem as sessões de deliberação é um absurdo (o que concordo), mas alunos ficarem dentro das salas de aula censurando os professores é aceitavel? Me desculpe, esse tipo de movimento não me representa, vandalismo (como o amigo com a marreta para quebrar a porta de vidro da reitoria) não me representa, alunos que defendem uma universidade para todos mas que tem uma visão arcaica quanto a sua realidade e a diversidade de interesses e opinioes politicas não me representa (universidade para todos aqueles que concordam com vcs). Por fim, vale lembrar que muitos desses “dinossauros” são aqueles responsaveis pela sua formação academica, são eles o principal motivo pelo qual há uma universidade. Muitos deles foram os que lutaram para que hoje os alunos tenham as condições de abertamente reivindicarem uma universidade democratica, inclusive fazendo uso dos recursos da própria universidade que arca com os custos da mobilização estudantil, então meu amigo, o minimo que vc deve a eles é respeito.

    Curtir

Os comentários estão desativados.