RODAS! Tire as mãos do Núcleo de Consciência Negra da USP!

Imagem
O Núcleo de Consciência Negra da USP resiste há 26 anos.

O Núcleo de Consciência Negra da USP (NCN) está sob a ameaça iminente de demolição, para dar espaço para o estacionamento da Nova Eca. Na última quinta-feira, dia 24, os integrantes núcleo se depararam com os tapumes que contornam a obra ao lado do barracão desmontados e com a tentativa da empreiteira de estendê-los até a entrada do NCN. Rapidamente a ação foi impedida por estudantes, membros do núcleo e apoiadores.

Imagem
Obra da “Nova Eca” avançando sobre o espaço do NCN.

Este não é o primeiro problema gerado pela obra, além da sujeira e o barulho constante, que atrapalha aulas do cursinho e demais atividades no local, nos últimos dois meses a linha telefônica do galpão foi cortada três vezes.

O NCN está no local há mais de duas décadas e está em processo para ser reconhecida pela universidade, mas constantemente sofre ataques da burocracia universitária, por sua luta por cotas raciais e contra o racismo na USP.

Por uma “Casa da Cultura Negra da USP”

Evidentemente a Reitoria quer obrigar o Núcleo de Consciência Negra a desocupar o espaço (Barracão 3 atrás da FEA) que é ocupado para suas atividades desde 1987. Os outros barracões que existiam no local, como por exemplo, o espaço do Centro Acadêmico da FEA (CAVC) já foi demolido.

O NCN realiza atividades políticas, acadêmicas e culturais no espaço ocupado há 26 anos, dentre elas o Curso Popular Pré-Universitário, o Centro de Estudo de Idiomas (CEI), as Oficinas de Teatro e de Cidadania, que abarcam debates, seminários e palestras sobre a história, as demandas sociais e a cultura afro-brasileira.

A dificuldade de manutenção do espaço é histórica, pois ao longo de existência, a USP mostrou-se contrária à presença, dentro de seus muros, de uma associação autônoma que defenda os interesses da comunidade negra (que é extremamente minoritária na USP, menos de 5%, devido à política racista e elitista imposta pelo vestibular e pela reitoria). Contudo, nos últimos anos, a Universidade de São Paulo está aumentando a repressão contra aqueles que possuem opiniões diferentes e/ou divergentes à da classe política dominante e o NCN é um alvo prioritário já que reúne estudantes e trabalhadores pobres que são os que mais protestam contra a política racista da universidade.

O Núcleo vem negociando um convênio para manutenção do seu espaço físico, mas as condições que estão sendo impostas pela Reitoria visam acabar com sua autonomia, tentando transformar o NCN em um Núcleo de Cultura e Extensão da USP.

No final de 2012, o NCN lançou uma campanha pela criação da Casa da Cultura Negra no campus Butantã da Universidade de São Paulo. Segundo a entidade, o projeto arquitetônico do espaço já existe desde a década de 1990: seu autor é ninguém menos que o arquiteto Oscar Niemeyer.

Para isso o NCN criou uma petição pública para exigir a criação da “Casa da Cultura Negra da USP”. Para apoiar acesse o endereço: http://www.peticaopublica.com.br/?pi=ncnusp.

Imagem
Estudantes fazem vigília para impedir a demolição do NCN pela gestão Rodas.

Para impedir que o Núcleo seja surpreendido com o fechamento e demolição de seu espaço pela reitoria, está sendo feita uma vigília constante no local até que a ameaça acabe. Participe!