Abaixo a repressão! Liberdade para os estudantes presos!

ul_144_-_pm_1
Além da reitoria, PM também ocupou torre do relógio.

Por volta das cinco horas da manhã da terça-feira, dia 12, a Tropa de Choque do governo Geraldo Alckmin (PSDB) já estava de prontidão em frente à reitoria da USP para desocupar os prédios dos blocos K e L.

Os estudantes estavam ocupados nos prédios desde o dia 1º de outubro. A ocupação foi feita depois que a reunião do Conselho Universitário, realizada no local não aceitou a participação dos estudantes.

Uma primeira decisão liminar da justiça negou o pedido de reintegração de posse da reitoria, mas o reitor-interventor Rodas conseguiu na última semana que um juiz concedesse a liminar para a desocupação à força.

Mais de 200 homens com mais de 10 ônibus e viaturas ocuparam toda a área em torno da reitoria, incluindo também a Praça do Relógio. Assim que os PM’s invadiram o prédio da reitoria, como se fosse uma mágica, a energia elétrica, que estava cortada há 40 dias, voltou a funcionar.

No momento da entrada da PM, nenhum estudante foi preso, mas quatro pessoas foram detidas. Dois ciclistas que estavam próximos à praça do relógio foram presos e depois liberados por não serem estudantes. Mas outras duas pessoas, dois estudantes da Filosofia que estavam próximos da ocupação, foram presos e levados à delegacia. Estes estudantes, segundo a PM, foram presos em flagrante e vão responder por formação de bando e quadrilha, roubo qualificado e depredação ao patrimônio público. Na tarde desta quarta-feira, os estudantes foram encaminhados para o Centro de Detenção Provisória (CDP) Osasco II.

Os estudantes realizaram um ato em frente ao 91o DP na tarde de ontem e fizeram vigília para protestar contra as prisões.

Esta é a quarta reintegração de posse da PM contra o movimento estudantil em 2011 foram presos 72 estudantes na desocupação da reitoria, em 2012, foram 12 estudantes na desocupação da moradia retomada e no mês passado, a diretoria da EACH também foi desocupada pela PM.

Os estudantes não devem aceitar a repressão do governador do Estado, Geraldo Alckmin e imposta pelo reitor-interventor João Grandino Rodas.

Fora Alckmin! Fora Rodas! Fora PM!

Liberdade para os estudantes presos!