Mérito é uma ova!

A explicação para os supersalários é simples: aconteceu porque eles merecem… Afinal, são professores com muitos anos de casa e muitos cargos acumulados. Ergo progressão salarial. Ergo ultrapassagem do teto constitucional. Afinal, que podem fazer os coitados dos professores que nada mais fazem que não seja dar suas aulas e trabalhar para o bem público? Mas surge outro motivo, segundo um dos próprios beneficiários: segurá-los no serviço público.

Ora, então recebem não por mérito, mas para que não virem as costas à universidade pública. Não é salário. É propina. Se é assim, são então, a quinta coluna do ensino privado dentro da USP.

E se esta universidade não puder pagar às sumidades o que precisam para se manter longe das privadas, porque não tem, ou porque as leis em vigor não permitem? O que acontece então?

Já se pode ver na esquina o sabichão que já sugeriu: abrir a USP à iniciativa privada.

O Crápula