Agente da SAS agride fisicamente morador do CRUSP

Na manhã de sábado do dia 22 de março, três agentes da Superintendência de Assistência Social (SAS) compareceram ao apartamento de estudante morador do CRUSP para registrar uma suposta ação de dano ao patrimônio público. O morador questionou a abertura de uma ocorrência em seu nome e foi agredido com uma cabeçada. O funcionário agressor foi o Sr. Luciano Donizete Pinto.

O responsável pela segurança do CRUSP no momento, Sr. Albertino, presenciou o fato e disse apurar os possíveis abusos. O morador agredido e mais dois amigos da pós-graduação foram à sala dos agentes de segurança do CRUSP para registrar “as vias de fato” e o responsável pelo turno dos agentes se negou a anotá-la no livro de ocorrências. Posteriormente, o agredido foi ao Hospital Universitário, realizou exames de tomografia, foi medicado e dispensado após seis horas.

O aluno/morador registrou um Boletim de Ocorrência e dará prosseguimento às incumbências legais.

Por causa desse fato de agressão física e, de outros fatos que circulam à boca miúda, tais como: vigilância da vida pessoal dos alunos-moradores, assédio moral e físico, bem como a conivência com crimes entre alunos-moradores, pretende-se abrir um debate amplo sobre o caráter da “segurança” na moradia estudantil, buscando um diálogo com os moradores do CRUSP, primeiro por meio deste abaixo assinado. Solicita-se a exoneração do funcionário Luciano D. Pinto e a reformulação da segurança do CRUSP, através de assembleias gerais e um Grupo de Trabalho para elaborar um Manual de Convivência com a participação de todos os moradores.

Bakunin