Surge o Jornal Unesp Livre

Depois de um longo período de experiência, resultado das importantes lutas que ocorreram dentro do movimento estudantil,  o Jornal USP Livre se consolida como o único órgão de imprensa capaz de dar voz a parcela mais ativa dentro da universidade, ou seja, aos estudantes, provou ser uma tribuna para a luta política travada em curso na USP, contra o governo do estado e a ingerência da reitoria.

Se transformou num fundamental instrumento de informação e de organização coletiva dos estudantes contra os ataques do PSDB ao colocar dentro do campus a PM, com o objetivo de perseguir estudantes e seu direito elementar de organização política e de manifestação. Foi o órgão capaz de levar a frente de maneira ampla campanhas contra a repressão policial, contra a perseguição política e contra o processo de privatização da universidade, com a instituição de cursos pagos, a terceirização de trabalhos e a entrega de serviços a iniciativa privada. Mas também é o contraponto da burocratização das entidades estudantis a partir de suas direções pelegas, chefiadas por PSOL e PSTU.

E é simultaneamente após essa experiência que passou a surgir em outras universidades um órgão de imprensa regular que tivesse essa mesma capacidade, que fosse um alicerce para impulsionar o movimento de conjunto e dar independência ao movimento estudantil em relação a burocracia universitária e estudantil.

Como, de maneira não menos importante, mostrou-se o Jornal Unifesp Livre que coloca a cada dia a necessidade de um movimento organizado que se contraponha aos interesses das fundações privadas e da especulação imobiliária e portanto da tentativa de transformar a universidade em balcão de negócios de grupos empresariais.

E agora com o surgimento do Jornal Unesp Livre, que surge enquanto instrumento elementar da luta dos estudantes contra a burocracia, contra a repressão e coloca na ordem do dia a luta por uma universidade que seja dirigida de maneira proporcional pelos setores que a compõe (funcionários, professores e uma maioria de estudantes) lutando finalmente pela autonomia universitária diante o estado e o livre ingresso da população na universidade.

Um comentário

  1. Imaginava encontrar nesta página debates sobre como melhorar o processo de formação e conhecimento dos alunos, porém sempre estão às voltas com questões políticas, que apesar de necessárias não deveriam ser o foco. Fora o antangonismo: reclamar da falta de segurança no campus e abraçar uma campanha “fora PM”.
    Impressionante não encontrar neste espaço ninguém preocupado com os efeitos da greve dos professores, funcionários e o mais impressionante alunos, pode causar na formação tão aguardada.
    Creio ser um passo importante informar e serem informados que vocês estão em uma Universidade Pública, onde muitos gostariam de estar.

    Curtir

Os comentários estão desativados.