Zago vai deixar crianças sem creches na USP

O corte afetará no mínimo 117 crianças que perderam as vagas.
O corte afetará no mínimo 117 crianças que perderam as vagas.

O reitor “bonzinho”, Marco Antônio Zago, continua fazendo suas “bondades”. O reitor do PSDB cortou, até o momento, nada menos que 117 vagas de crianças e bebês para as creches da USP este ano.

O serviço de creches da USP é gratuito e oferecido a funcionários, professores e estudantes na proporção de vagas em 40%, 20% e 40%, respectivamente. O serviço existe desde 1982 quando, depois da constante pressão de funcionários e estudantes a Divisão de Creches foi criada. Ao todo são cinco unidades que funcionam na capital e interior.  O corte de vagas está diretamente relacionado com a política de privatização da USP levada a cabo pelo reitor e o governador Geraldo Alckmin (PSDB). A reitoria está promovendo o Programa de Demissão Voluntária (PDV) desde o ano passado o que atingiu parte dos funcionários das creches. A saída de funcionários é o pretexto perfeito para a reitoria cortar as vagas.

As vagas cortadas atingem as creches dos campi da capital e do interior. Em São Carlos a reitoria cortou nada menos que 46 novas vagas. Na creche e  Pré-Escola Oeste, localizada no Butantã 31 crianças ficarão sem creche em 2015. O número total de cortes pode ser maior, pois há algumas unidades que não divulgaram o número de vagas canceladas pela reitoria.

Não há previsão para a criação de novas turmas também em 2016 e 2017.
Não há previsão para a criação de novas turmas também em 2016 e 2017.

A reitoria cortou as vagas de última hora, sem aviso prévio. As crianças que perderam as vagas já tinham sido selecionadas e agora os pais estão sem opção para deixar os filhos. Muitos deles não tem condições financeiras para pagar escolas particulares. As creches da USP são utilizadas prioritariamente por funcionários e estudantes de baixa renda e são um serviço essencial para as estudantes que são mães manterem os estudos.

A falta de vagas é uma política consciente da reitoria para acabar com as creches na universidade. Não há previsão de novas vagas para os próximos anos. Com esta medida, o reitor “bonzinho” quer acabar com o serviço de creches da USP, pois sem novas turmas em 2015, 2016 e assim sucessivamente não haverá mais nenhuma turma o que acarretará naturalmente no fim deste serviço.

Assim como está fechando os bandejões Zago pretende fechar as creches afetando funcionários e estudantes. Este é mais um ataque direto da reitoria contra às condições de trabalho e estudo dentro da USP.