Apoiar a greve dos professores de São Paulo e derrotar Alckmin

1

Os professores da rede estadual já passam de um mês em greve e o governo do Estado, do PSDB, ainda não desceu do salto para negociar com os trabalhadores.

Assim como foi a greve dos trabalhadores em educação no Paraná, que derrubaram o plano de austeridade, o “pacotaço”, imposto pelo governo de Beto Richa (PSDB), esta greve está sendo um centro da luta contra a direita no país.

Os professores exigem o reajuste salarial de 75,33%, contra o não reajuste decretado pelo governador Geraldo Alckmin. A luta da categoria é, entre outras coisas, contra os cortes nas verbas para a educação e o fechamento de cerca de três mil salas de aula desde o final do ano passado.

Por isso o chamado de apoio à luta dos professores é fundamental, para engrossar as fileiras contra a direita e contra o governo Alckmin.

Todos à próxima assembleia no dia 17 de abril, a partir das 14 horas, no Vão Livre do Masp