Siga o mestre: a direita fala e o DCE da USP obedece

1

PSol e PSTU deixam de lado denúncia contra a invasão da PM ao Núcleo de Consciência Negra após pressão da direita em sua página no facebook

A direção do Diretório Central dos Estudantes (DCE) da Universidade de São Paulo (USP) combate a oposição de esquerda a eles. Já no que diz respeito à direita, a situação é bem diferente.

Dirigido por PSol e PSTU, o DCE parece ter se especializado em capitular frente aos ataques dos setores de direita dentro da universidade.

Mais uma demonstração dessa capitulação se deu na sexta-feira, dia 3 de julho, depois do DCE publicar em sua página do facebook o vídeo da invasão da Polícia Militar ao Núcleo de Consciência Negra da USP, que acabou com dois jovens  presos. Os dois menores de idade, negros e moradores da favela da São Remo, que fica ao lado da universidade.

Bastou a direita vociferar contra o DCE e parabenizar a ação truculenta da PM contra os jovens para que que PSol e PSTU, com o rabo entre as pernas e acuados, apagassem o vídeo, deixando de lado a denúncia contra a polícia.

Não é a prieira vez que agem desse modo. Em fevereiro desse ano, publicaram um vídeo de um debate sobre a legalização da maconha, com um trecho da fala da militante do Psol, Roberta Marcondes Costa. O vídeo foi atacado pela direita com insultos do mais baixo calão e extremamente ofensivos a ela como mulher.

Aqui, a diferença de atitude foi gritante. Quando querem calar os grupos de esquerda ou mesmo ativistas sem partido que se opõem a eles, os diretores do DCE não hesitam em acusa-los de machistas, porque teriam supostamente gritado com alguma mulher, interrompido a fala dela ou coisas do gênero. Fazem, então, coro contra o suposto machista, escrachos etc. Quando a contestação ao DCE se dá no facebook, aí não é necessário sequer a acusação. O elemento “incômodo” é bloqueado, impedido de comentar na página e pronto. No entanto, quando a direita atacou abertamente a militante deles, diante de quem quisesse ver, chamando-a de “vadia maconheira”, ou dizendo que “deixou o vídeo no mudo e ficou olhando para os peitos dela”, entre outras barbaridades, a resposta do DCE foi simplesmente de que a fala da companheira tinha sido muito boa e que aquele era apenas um trecho… ninguém bloqueado, nenhum comentário apagado, nenhum ataque às colocações fascistóides. Em lugar disso, apagaram o vídeo!

Se por um lado é evidente a capitulação desses grupos diante a direita, por outro mostra sua falsa política de “defesa” das mulheres que só é tirada do fundo do baú para encobrir sua traição à luta dos estudantes, atacar moralmente os militantes do movimento estudantil e ameaça-los.

Isso só mostra que quando se trata de combater a direita, o DCE capitula vergonhosamente. Suas armas estão apontadas apenas para a esquerda.

Diante o avanço da crise e da ofensiva da direita, essa tem se tornado a atitude corriqueira da esquerda pequeno-burguesa que ao se sentirem na defensiva passam a adotar um programa reacionário, entregam as ruas para os fascistas e capitulam diante dos ataques da direita.

Rogério de Lucena

estudante de Letras e militante do PCO