Discutir política nas eleições do DCE

Na próxima semana ocorrerá mais um processo de eleição do DCE Livre da USP. E mais uma vez a eleição ocorrerá sem qualquer conexão com a realidade, com os debates mais importantes dentro e fora da USP.

Todos estão acompanhando a crise política no país. É a maior crise desde o fim da Ditadura Militar e o debate sobre o assunto acontece por todo lado. Não parece ser esta a intenção da maioria das chapas que estão participando da eleição do DCE. Dos nomes das chapas aos materiais de campanha, praticamente ninguém se preocupa em falar do problema do impeachment, das manifestações de esquerda e direita que estão acontecendo quase semanalmente, etc. É como se nada tivesse acontecendo, ou que a USP fosse um mundo a parte, que não sofresse influência da política nacional.

Alguns podem afirmar que a eleição da nova diretoria do DCE não tem nenhuma relação com a política nacional, mas estão enganados. O resultado desta crise pode ter consequências profundas dentro da USP e os estudantes são o setor fundamental para lutar contra os ataques por vir. O setor que tenta derrubar o governo é também o maior inimigo da educação pública. São os governos do PSDB que realizam os maiores ataques às universidades públicas, como se pode ver no desmonte da USP, promovido pela atual reitoria e pelos cortes gigantescos que podem comprometer o funcionamento das universidades do Paraná, feito pelo governo Beto Richa.

Diante desta crise, a atual gestão, composta por Psol e PSTU, tem se abstido do debate e também de mobilizar os estudantes contra o golpe. Isto não é consequência só da paralisia em que estão há anos, mas é um problema político. Os dois partidos estão totalmente confusos nesta crise e tem defendido uma política de terceira via (nem a favor, nem contra o golpe), que não convence ninguém, nem eles próprios.

Somente a discussão política pode esclarecer de fato qual é o papel de cada chapa e colocar o DCE como um fator decisivo na luta contra o golpe. É preciso esclarecer que há chapas que defendem até mesmo a prisão de Lula e o motivo do DCE ter se colocado até agora de fora da mobilização contra o golpe. A ausência desta discussão só fortalecerá a chapa golpista da direita e as duas chapas da situação.