Polêmica – O movimento estudantil não tem que discutir o golpe ?

Na assembleia geral realizada no último dia 05 de maio alguns reclamaram que o movimento teve, de fato, como principal ponto de discussão a convocação do ato de primeiro de maio e a conjuntura nacional, ou seja, a questão do golpe de Estado, nos informes e nas votações.

Os que reclamaram, opuseram a luta por permanência estudantil,cotas,etc. à luta contra o golpe. Uma oposição que não é verdadeira.

O movimento estudantil tem o dever de discutir a conjuntura nacional, pois a USP não está sozinha no mundo, e o golpe em curso no Brasil afeta e afetará muito a USP.

Na USP quem já governa é a reitoria, o PSDB, isto é, os próprios golpistas, os que promovem os cortes, que querem desalojar o Sintusp, cobrar mensalidade e privatizar a USP.

No congresso nacional, são esses mesmos golpistas que querem reduzir a maioridade penal, entregar o petróleo para o estrangeiro, privatizar o que sobrou das estatais, e para isso derrubar o governo do PT. Portanto a oposição à direita na USP é complementar à oposição à direita no cenário político nacional, a vitória em uma frente favorece a luta na outra e vice-versa.

Nesse sentido é necessário discutir o golpe para que nós possamos enfrentar os golpistas dentro e fora da USP.

P. C.