Mendonça Filho: o ministro da privatização na Educação

Assim que os golpistas botaram as mãos no governo, o presidente interino Michel Temer colocou no Ministério da Educação o sr. Mendonça Filho, político do DEM, partido que se originou na ditadura militar e que é ferrenho defensor da privatização do ensino público.

Em pouco mais de 10 dias de governo Mendonça defendeu a cobrança de mensalidades nas universidades públicas deixando a cargo dos reitores a decisão da cobrança de mensalidades para cursos de pós graduação e extensão. Para isso Mendonça defendeu um Projeto de Emenda à Constituição (PEC) para regulamentar a medida. Desta forma aumentaria os recursos que entram na universidade ao mesmo tempo que propõe cortes nos repasses. Há ainda o corte nas bolsas de permanência com a suspensão das inscrições para o Programa de Permanência para universitários de baixa renda.

Também cortou novas inscrições para o Pronatec (Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e ao Emprego) e o FIES (Fundo de Financiamento Estudantil). Mas não é só o DEM que domina o Ministério. Sua equipe para a gestão é formada por várias pessoas ligadas ao PSDB, como Maria Inês Fini que foi diretora do INEP (Instituto Nacional de Ensino e Pesquisa) durante o governo de FHC, por exemplo.

A nomeação do DEM para o Ministério da Educação tem um objetivo claro, que é passar por cima do movimento estudantil e privatizar todo o ensino público existente. Claro que com a “valiosa” ajuda do PSDB que já faz isso na USP e nas demais universidades estaduais.

Para completar o quadro desolador do futuro da educação pública brasileira, no último dia 25, o Ministro golpista recebeu em seu gabinete a visita de ninguém menos que o ator pornô Alexandre Frota e representante do grupo de extrema-direita Revoltados online para receber sugestões para o ensino brasileiro, entre elas o abominável projeto de “Escola sem partido”, medida que obriga professores a não discutirem política em sala de aula. O objetivo de Mendonça e da direita golpista é desmantelar qualquer tipo de medida progressista tomada pelos ministros anteriores pois sua política em relação ao ensino público é clara: a privatização.